menu
18 de Julho de 2024
facebook instagram whatsapp
lupa
menu
18 de Julho de 2024
facebook instagram whatsapp
lupa
fechar

THIAGO PACHECO Sexta-feira, 31 de Maio de 2024, 11:49 - A | A

Sexta-feira, 31 de Maio de 2024, 11h:49 - A | A

POR THIAGO PACHECO

Aumento do preço do arroz: O país começa a sentir os reflexos do desastre no RS

Thiago Pacheco

 

Por Thiago Pacheco*

 

A catástrofe no RS sem dúvidas não tem precedentes históricos, sem contar o quão implacável se apresentou, e sendo o estado gaúcho tão representativo no fornecimento de determinados produtos, não demoraria muito para que o restante do país sentisse tais impactos, não só pela perda de produções inteiras, como aos desafios logísticos, outro fator significativo, que vem refletindo nos preços de alimentos, em pauta o arroz, o qual o estado corresponde a aproximadamente 70% da produção nacional, está na alta procura dos produtos, pelo receio de falta de abastecimento.

 

Segundo a Abras (Associação Brasileira de Supermercados ) com o aumento da demanda o preço médio do arroz já supera uma alta de 5%, e com posicionamento do Governo, na importação de deste alimento, onde o produto deve chegar ao país em torno de 45 a 60 dias, a expectativa que hajam novos aumentos.

 

Sendo assim, é importante que os consumidores pesquisem preços para uma melhor compra, afinal existem aproximadamente 60 marcas de arroz no país, mas sobre tudo, que equalizem a compra desacerbada do alimento.

 

Observamos registros queda de inflação em determinados meses e índices, como IGP-M que neste ano já obtive registros negativos, inclusive, em se tratando do arroz, nos meses de março e abril, sinalizavam queda nos preços médios, devido a alta oferta do produto em decorrência do período de colheita da safra.

 

No campo das negociações em torno das importações para o abastecimento interno, para a composição do preço que será praticado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), onde se observa não só o custo de aquisição, como também o custo logístico, busca um preço pro quilo para o consumidor final em torno de R$ 4,00.

 

*Thiago Pacheco é especialista em finanças, mercado, controladoria, agronegócios e ESG, com mais de 20 anos de indústria financeira, com passagens em grandes bancos com presença internacional, além dos maiores players do agro. Professor e mentor para o mercado financeiro e de capitais, fundador e CEO da Elevare Institute

 

Comente esta notícia