Doença sexual pouco conhecida alerta médicos

Doença sexual pouco conhecida alerta médicos

- em Curiosidades
Comentários desativados em Doença sexual pouco conhecida alerta médicos

Doença sexual alerta médicos

Leia mais’Desumano’: grupo tira selfies ao invés de ajudar em acidenteMulher de 21 anos não sabia que estava grávida até dar à luz …
A Mycoplasma genitalium (MG), apesar de ser uma das menos conhecidas DSTs, recebeu muita publicidade recentemente porque novas diretrizes foram publicadas para evitar que ela se torne uma “superbactéria”.
Atualmente, a MG afeta 1 em 100 pessoas (mais do que gonorréia, mas a Associação Britânica de Saúde Sexual e HIV (BASHH) lançou novas diretrizes de tratamento para ajudar a evitar que ele atinja o status de superbactéria na próxima década. Mas a BASHH está preocupada que, devido a financiamento e orçamentos, sua orientação não seja implementada a tempo, antes que a MG se torne intratável.
Se isso acontecer, o BASHH sugere que até 3 mil mulheres que tenham doença inflamatória pélvica (DIP) causada pelo DST possam ter risco aumentado de infertilidade (entre outras coisas).
Uma infecção por MG geralmente não apresenta sintomas. Quando os pacientes apresentam sintomas, eles são semelhantes àqueles associados a outras infecções bacterianas do trato urogenital, como clamídia e gonorreia. Homens podem ter maior probabilidade de apresentar sintomas de infecção por MG do que mulheres.
Quando os sintomas ocorrem em mulheres, eles podem incluir: dor durante o sexo, sangramento após o sexo e dor na região pélvica abaixo do umbigo. Nos homens, você deve procurar secreções líquidas do pênis, queimação, dor ou picadas ao fazer xixi.
MG é tratada com antibióticos. No entanto, ao contrário de outras DSTs, até recentemente não havia testes diagnósticos disponíveis comercialmente para detectá-los. Devido a esta falta histórica de testes precisos e ao fato de que os sintomas da MG são tão semelhantes aos da clamídia, os pacientes são muitas vezes diagnosticados erroneamente e tratados para clamídia.
Desde que a MG foi identificada pela primeira vez na década de 80, evidências de sua associação com síndromes de doenças do trato reprodutivo vêm sendo lentamente construídas. Em mulheres, novas pesquisas provaram um aumento no risco de pegar e transmitir HIV, assim como doença inflamatória pélvica, uma infecção dos órgãos do sistema reprodutor feminino; Infertilidade. Causado pela doença inflamatória pélvica e nascimento prematuro.

Fonte: Vírgula UOL

Facebook Comments

Veja também

Mulher cai em tanque com tubarões em shopping

Mulher cai em tanque de tubarões em shopping