Anistia Internacional defende ações imediatas para conter violência policial

Anistia Internacional defende ações imediatas para conter violência policial

- em Brasil
Comentários desativados em Anistia Internacional defende ações imediatas para conter violência policial

Com base em dados do Instituto de Segurança Pública (ISP), divulgados hoje (18), que apontam que as polícias Civil e Militar do Rio de Janeiro responderam no ano passado por 1.124 homicídios no estado, a organização não governamental (ONG) Anistia Internacional defendeu que as autoridades tomem medidas imediatas para interromper esse ciclo de violência.

O aumento foi da ordem de 21,5% em comparação a 2016. Desse total de mortes, 25% ocorreram no município do Rio de Janeiro. O total de homicídios praticados pela polícia em serviço corresponde a 16,7% dos assassinatos em todo estado, estimou a ONG.

“Os homicídios cometidos pela polícia em serviço são muito altos. O estado do Rio de Janeiro é o número um nesse tipo de homicídios. Isso é muito grave”, alertou a diretora executiva da Anistia Internacional Brasil, Jurema Werneck. Segundo ela, essa trajetória vem crescendo ao longo dos últimos anos. “É preciso que as autoridades façam alguma coisa, com urgência”.

Em 2015, a ONG elaborou o relatório Você Matou meu Filho, que tratava das chamadas execuções extrajudiciais feitas pela polícia no estado do Rio de Janeiro durante o serviço e propunha recomendações para melhorar a atuação da polícia e da segurança pública, além de garantir a responsabilização das autoridades, englobando a gestão do estado, a Secretaria de Segurança Pública, a Assembleia Legislativa, o Ministério Público.

Jurema Werneck defendeu que o Ministério Público deve agir com profundidade e celeridade em relação a essa questão. Sobre a Alerj, recordou que foi finalizado em 2016 um relatório da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) criada para investigar essas mortes. O relatório foi aprovado por unanimidade, mas ainda não foi votado pelo plenário da Casa. “A gente tem atuado desde 2015, as instituições de alguma forma responderam em algumas medidas, mas essa resposta não tem tido a dimensão necessária”, criticou Jurema.

Ação imediata

Para a Anistia Internacional Brasil, as autoridades têm a responsabilidade de agir imediatamente. “A polícia do Rio de Janeiro é a que mais mata no Brasil. Então, não é possível que se mantenha o silêncio”. A diretora da entidade enfatizou que a violência da polícia alimenta o ciclo da violência. “Não é à toa que os homicídios no Rio de Janeiro são muito altos”.

De acordo com Jurema Werneck, se esse ciclo de homicídios cometidos pela polícia em serviço for interrompido, ele provoca uma redução de até 25% no caso da capital e até quase 17% no estado. “É uma redução expressiva com forte impacto na vida das pessoas”.

Com o novo relatório do ISP, a Anistia Internacional reforça a necessidade de a autoridade pública fazer parte desse esforço para reduzir a quantidade de mortes cometidas pela polícia em serviço. A Anistia Internacional Brasil acredita que o estado do Rio de Janeiro precisa assumir que as políticas de segurança pública estão equivocadas. A estratégia de operações de caça ao tráfico de drogas não reduz a violência, mas faz com que o estado tenha a polícia que mais mata e morre no país, avaliou.

Ao todo, a letalidade violenta, que envolve homicídio doloso, latrocínio (roubo seguido de morte), homicídio decorrente de oposição à intervenção policial e lesão corporal seguida de morte, respondeu por um total de 6.731 mortes no estado do Rio de Janeiro, em 2017. Ainda de acordo com dados do ISP, 35 policiais foram mortos em serviço no estado, no ano passado, sendo 31 policiais militares e quatro policiais civis.

 

Fonte: Agência Brasil

Facebook Comments

Veja também

YouTube sai do ar na noite desta terça; site tenta resolver problema

O YouTube saiu do ar ou apresentou instabilidade