Ameba em água da torneira mata mulher

Ameba em água da torneira mata mulher

- em Curiosidades
Comentários desativados em Ameba em água da torneira mata mulher

Ameba comedora de cérebro

Leia maisBife bovino é produzido em laboratório pela primeira vezHomem paralisado tratado com células-tronco recupera movimentos
Um estudo publicado no International Journal of Infectious Diseases revelou que uma mulher de Seattle, nos Estados Unidos, morreu após uma ameba comer cérebro depois de usar um higienizador nasal incorretamente.
O estudo detalhado que a mulher de 69 anos de idade, tentou usar o higienizador para ajudar a aliviar os sintomas de uma infecção crônica do seio. No entanto, em vez de usar água esterilizada, como é indicado, a mulher utilizada água da torneira que tinha sido executado por meio de seu filtro de água.
Se você não está em saber sobre higienizadores nasais, eles são basicamente pequenos vasos de chá que você enche com água morna, adicione o sal, e uma vez que o sal se dissolve, você inclina a cabeça e despeja a água em uma narina para permitir que o água para limpar suas passagens nasais e sair do outro lado.
Isso é chamado de irrigação nasal ou lavagem nasal, e pode ajudar a aliviar o congestionamento ou outros problemas de sinusite. Mas porque esta água flui através das membranas delicadas em torno de seu cérebro, os fabricantes e o FDA (órgão que regula o uso de medicamentos nos EUA) aconselham usar apenas água fervida ou destilada para a irrigação nasal, para evitar o risco de, acidentalmente, ficando expostos a bactérias perigosas.
Neste caso, é exatamente isso o que aconteceu: a mulher usou a água da torneira filtrada, mas ainda foi exposto a uma ameba que atacou tecidos de seu cérebro.
“Após um mês de uso de água não-esterilizada para lavagem nasal, sem sucesso, ela desenvolveu uma erupção vermelha do lado direito de seu nariz e pele vermelha crua na abertura nasal”, informou o estudo. Um ano mais tarde, a mulher tem uma convulsão, e varredura do cérebro posterior revelou uma “lesão realçada anel no córtex motor do lado direito do cérebro.”
Durante uma biópsia do cérebro para determinar a causa da lesão cerebral, os médicos descobriram algo preocupante que acabou por ser diagnosticado como uma ameba comer cérebro.
“Quando eu operei esta senhora, uma parte de seu cérebro do tamanho de uma bola de golfe saiu:, disse Charles Cobbs, neurocirurgião do Centro Médico Sueco de Seattle. “Havia estes ameba em todo o lugar apenas comendo as células do cérebro. Nós não tínhamos qualquer idéia do que estava acontecendo, mas quando chegamos ao tecido real podia-se ver que era a ameba”, afirmou ao Seattle Times.
O estudo de caso no International Journal of Infectious Diseases informou que não é conclusiva de que o higienizador é o culpado, mas a hipótese foi formulada com base na história da mulher que usava o sistema de irrigação nasal. A água em sua casa não deu positivo para a ameba após teste.
Recomenda-se água fervente ou água destilada como a melhor prática para o uso destes higienizadores. Nos Estados Unidos, é comum beber água da torneira.

r7ad.printGAds([300, 250], ‘Island’);

Mostrar legenda

Ocultar legenda

Higienizador nasal

Higienizador nasal

Créditos: Reprodução

Ameba em água da torneira mata mulher

Ameba em água da torneira mata mulher

Créditos: Reprodução

Higienizador nasal

Higienizador nasal

Créditos: Reprodução

Ameba em água da torneira mata mulher

Ameba em água da torneira mata mulher

Créditos: Reprodução

Mais galerias

Empresa produz bife bovino em laboratório

Homem sobrevive após quebrar 108 ossos em queda

Homem paralisado tratado com células-tronco recupera movimentos

Mais galerias

Empresa produz bife bovino em laboratório

Homem sobrevive após quebrar 108 ossos em queda

Homem paralisado tratado com células-tronco recupera movimentos

Fechar X

(function($) {
$(document).ready(function() {
initialize_virgula_gallery(‘#virgula-gallery-1298720’);
});
})(jQuery)

Fonte: Vírgula UOL

Facebook Comments

Veja também

‘Você pode ser quem quiser’, diz Gali, que estreia no Psicodália

Gali por Maria Moreira Leia mais’É preciso celebrar